Museologia Clássica
e Comunitária: um diálogo possível?

Domingo (08/11)

14h - 15h

A Zona Oeste do Rio é uma possui uma história de relevância nacional. Por isso, existem diversas iniciativas de reconhecimento, inventariação e salvaguarda dos patrimônios materiais, imateriais e naturais na região. Espaços de memória que não precisam, necessariamente, de um equipamento ou profissional de museologia para existirem, eles nascem por uma necessidade das comunidades em gerar pertencimento e valorizar suas práticas culturais ancestrais. Como a museologia clássica dialoga com esses movimentos sociais? A partir dessa interação – museologia clássica e social- pode emergir o fortalecimento da memória viva da região?

Mediador: Pablo Ramoz
Obs.: teremos tradutor de Libras

Conheça os participantes

Lucas Van de Beuque

Museu Casa do Pontal

Raquel Fernandes

Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

Bianca Wild

Ecomuseu de Sepetiba

Renato de Souza Dória

Instituto Histórico da Baixada de Jacarepaguá